Ilustração da torre de babel, no sentido bíblico de atingir aos céus

Nossa colunista Darcilia Simões discute sobre os desencontros da língua, com referências a músicas e casos recentes.¹

 

"O que quer, o que pode essa língua?”. Esse verso de Caetano Veloso (“Língua”, 1984) vem como um mote para uma reflexão sobre a língua e seu poder. Em tempos em que as relações sociais se mostram tão conturbadas, a comunicação ganha destaque, e o verbo (sentido bíblico), criador de todas as coisas, volta a ser...Leia mais

Tabuleiro de xadrez

Eduardo Leite resenha sobre como o livro “Surprise Attack” pode ser usado em análises no campo das negociações, em especial as mais hostis, como os takeovers

 

À medida que se acentua a integração econômica global, intensifica-se a concorrência empresarial, o que também aumenta a tensão pela conquista de mercado e criação de valor. Nesse quadro, as fusões e aquisições entre as empresas têm sido uma opção estratégica...Leia mais

Imagem de livros

As primeiras referências científicas em língua portuguesa remontam aos séculos XV e XVI, mesma época que os portugueses empreenderam suas primeiras explorações marítimas.

Para revelar os caminhos do Oriente, foi preciso o uso da ciência e da tecnologia: A ciência para orientar as embarcações pelos astros no alto mar e a técnica para aperfeiçoar o navio mais comum – a caravela – para levar a bordo instrumentos que permitiram a localização em pleno...Leia mais

Imagem de Darcilia Simões

Muito se tem falado sobre a diversidade do povo brasileiro. Ao lado disso, a variação linguística tem estado na ordem do dia na maioria dos encontros acadêmicos nas áreas de Letras, Linguística e Educação. A despeito disso, o conhecimento da cultura do sertão profundo (denominação dada pelo compositor baiano Elomar Figueira de Mello) é domínio de uns poucos, em especial no que tange à língua falada naquelas paragens.

Apaixonada por meu...Leia mais

Foto do colunista Eduardo Leite

Diz-se que um certo dia, o famoso matemático inglês de origem libanesa, Michael Atiyah, aborrecido com olhares de soslaio da sua mãe sobre sua atividade de pesquisador, resolveu explicar-lhe a natureza da sua profissão. Após ter escutado atentamente as explicações do filho, a mãe teria proferido as seguintes palavras: “Agora sim, filho, entendi o que você faz… Mas diga-me uma coisa…” – indagou de imediato a mãe – “por que razão é que lhe pagam para...Leia mais